8 dicas para fazer um planejamento financeiro familiar

8 dicas para fazer um planejamento financeiro familiar

O primeiro passo para uma vida financeira saudável está no planejamento. Por que? Porque é através dele que você vai saber qual é a sua situação real e começar a mudar algumas coisas para que tudo fique em ordem.

Muitas pessoas, até pela falta de tempo, não fazem a mínima ideia dos seus gastos e isso por ser muito perigoso, especialmente quando se pensa no futuro.

Se você já coloca tudo no papel e tem o controle das suas finanças, ótimo! Mas se não faz esse registro, é o momento de começar. Por isso, não deixe de conferir o que preparamos para você. E, com certeza, vai te ajudar muito!

Por que o planejamento financeiro familiar é importante

O ponto chave do planejamento é fazer com que você tenha noção da sua situação financeira e se perceber que as contas não fecham, é preciso tomar algumas ações. Muitas pessoas se assustam quando colocam tudo no papel, pois não faziam a mínima ideia do “rombo”.

E a partir do momento que você monta um planejamento, vai ser possível começar a guardar dinheiro, investir, ter uma reserva de emergência e, principalmente, garantir um futuro para a sua família.

Dicas para fazer um planeamento financeiro familiar

Independentemente do tamanho da sua família, é preciso dar o primeiro passo, caso você já não faça um. Preste bastante atenção nas dicas que vamos te passar, analise cada uma delas e coloque em prática.

1. Registrar todos os seus gastos

Você sabe onde o seu dinheiro está sendo gasto? Por isso você deve:

  • Anotar todos os seus gastos fixos: aluguel, financiamento de imóvel, contas domésticas, mensalidade escolar dos filhos, etc.
  • Registrar itens eventuais: compra de um remédio, revisão do carro, a ida a um restaurante.

Apesar dos itens eventuais serem mais imprevisíveis, é possível fazer uma projeção, com base em alguns meses. Lembrando que você precisa também colocar no papel seus gastos do dia a dia, como a compra de um pão ou um cafezinho, por exemplo.

2. Reduzir despesas

Você já fez todas as suas contas. Agora faça a comparação com as suas receitas. E se algum membro da sua família contribuir para o orçamento familiar, coloque também. Vamos supor que as contas não fecham. Então tem que se pensar em reduzir as despesas, mas como?

  • Rever todas suas contas fixas;
  • Encontrar alternativas para reduzi-las;
  • Evitar a compra de itens desnecessários;
  • Só comprar o que cabe no seu orçamento.

No momento de rever suas contas, por exemplo, você assiste a todos os canais da sua TV por assinatura? Provavelmente não. Então faça uma pesquisa e encontre um pacote mais barato.

Esse é apenas um exemplo, mas isso pode ser aplicado em todas as suas contas, ou seja, encontrar uma forma para diminuir o valor.

8 dicas para fazer um planejamento financeiro familiar

3. Saber usar o cartão de crédito e cheque especial

O cartão de crédito, assim como o cheque especial, podem ser ótimos aliados, mas também podem ser tornar um grande problema.

Por isso, só use quando for realmente necessário e tendo a certeza que você vai ter o dinheiro ou para pagar a fatura total ou cobrir em poucos dias o cheque especial. Defina o que é prioridade para você e sua família e só compre o que for importante, e nunca por impulso.

4. Se livrar de dívidas

Caso você tenha alguma dívida, é essencial se livrar de todas elas. Basta você somar os juros. Pense em como esse dinheiro poderia estar bem mais utilizado. É claro que isso depende de uma série de fatores. De repente, você perdeu o emprego e as dívidas só cresceram.

Mas o ideal é acabar com todas elas, seja renegociando com seus credores, tentando diminuir os juros ou buscando por uma alternativa, por exemplo, o empréstimo pessoal.

Vale a pena conversar com o seu gerente e se informar. Muitas vezes, compensa você trocar uma dívida pela outra, desde que a nova dívida seja com juros menores.

5. Poupar todos os meses

É muito importante você separar uma parte da sua receita todos os meses. Você e sua família precisam ter uma reserva de emergência.

O mais indicado é que o total dessa reserva corresponda de 3 a 6 meses de seus gastos totais, pois assim, caso aconteça algum imprevisto, você estará resguardado.

6. Investir o dinheiro

Quando se pensa em investir, a primeira coisa que vem à cabeça é a caderneta de poupança. Apesar de ser segura, rende muito pouco.

Saiba que existem outros tipos de investimento, tão seguros quanto a poupança e rendem muito mais, como é o caso do Tesouro Direto.

Tenha em mente que seu dinheiro precisa render. Se você ainda não conhece como funciona o mercado financeiro, procure se informar e encontre uma maneira de fazer o dinheiro trabalhar para você e não o contrário.

7. Estabelecer metas

Você tem algum sonho? Por exemplo, comprar um imóvel, trocar de carro, fazer uma viagem ou se aperfeiçoar na sua área?

Então, comece a traçar metas. Já está mais do que provado de que quando estabelecemos objetivos na vida, nos empenhamos muito mais em economizar. Você sabe que aquele dinheiro reservado todos os meses é para algo específico.

8. Mudar hábitos

A mudança de hábitos pode ser inserida em qualquer um dos tópicos acima, porque muitas vezes, o problema está em hábitos que você carrega por anos.

E até por comodismo, você não quer mexer. Mas se você tem por objetivo principal ter uma vida financeira saudável e sob controle, todos os seus hábitos e de sua família precisam ser revistos.

De repente, ao invés de jantar ou almoçar fora duas vezes por semana, passe a fazer isso de 15 em 15 dias. Ficará surpreso no final do mês.

É bem mais fácil do que poderia imaginar, não é mesmo? Agora é só dar o primeiro passo e começar a colocar em prática todas essas dicas.

O mais importante você já está fazendo: montar seu planejamento, com o objetivo de uma obter uma vida financeira saudável.

Você já fez seu planejamento financeiro para este ano? Está conseguindo cumprir? Comente!

CLIQUE AQUI para conhecer o Programa Mente Rica!

Equipe Eduardo Moreira.

Você também pode gostar

Deixe um comentário