Coliving: veja como funciona a moradia compartilhada

Coliving: veja como funciona a moradia compartilhada

A moradia compartilhada conhecida como coliving apareceu por volta dos anos 70 Dinamarca. Pode ser casa ou apartamento, o estilo coliving incentiva a convivência.

Os cômodos são todos divididos com exceção do quarto que costuma ser individual. Pode ser comparado a uma república de estudantes, porém o diferencial se faz na idade dos moradores que costumam ser mais vividos.

Dividir as despesas da casa é sinônimo de economia, a dificuldade principal fica por conta da convivência, são experiências e autoconhecimentos compartilhados.

Quando o ambiente coliving é bem estruturado está criando um espaço e uma comunidade que reúne pessoas com opiniões e, com diversas origens tanto para viver quanto para trabalhar sob o mesmo teto se for o caso.

Tipos de moradia compartilhada 

Existem três tipos:

Roan

Você paga exclusivamente o aluguel de um quarto, podendo ser desfrutado em qualquer lugar do mundo desde que pertença a empreiteira proprietária.

República

No Brasil é a mais conhecida, se trata de estudantes podendo contar com a presença do proprietário do imóvel.

Flatsharing

São pessoas mais experientes com ideias parecidas que buscam o mesmo ideal. A coletividade é o diferencial.

Estilo e conceito coliving

Não apenas economia de dinheiro, compartilhar moradia implica também em maneiras sustentáveis de se viver.

Coliving abrange hábitos de consumo saudáveis, abre mão do consumismo deixando de lado os itens supérfluos, valorizando as pequenas coisas inclusive a relação com o próximo.

Para as pessoas que adotam o coliving como estilo de vida sabem que os desafios são constantes, afinal andam na contramão do consumismo.

O jeito de viver coliving não é para todos, a personalidade da pessoa precisa estar de acordo com esse modo de vida compartilhado.

Se você não possui esse estilo de vida compartilhado, mas tem vontade de mudar os hábitos de convívio, talvez o coliving seja ideal para você.

Só lembrando que tudo na casa precisa ser conversado para que as decisões sejam de comum acordo.

O jeito moderno de viver muitas vezes individualizado tem esfriado as relações, o coliving força o convívio, o contato, e isso é de extrema importância nos dias de hoje.

O respeito deverá ser mútuo assim como o cuidado com a casa e, os afazeres domésticos são todos divididos. Coliving não funciona apenas para economizar e dividir as coisas, o espaço da moradia compartilhada também tem como intuito reforçar a interação humana, com atividades em equipe.

Coliving: veja como funciona a moradia compartilhada

Coliving e os benefícios da moradia compartilhada

O contato diário com os outros moradores aumenta a harmonia dentro e fora de casa.

Os conflitos cotidianos que podem surgir são diminuídos porque um passa a se enxergar no outro e, logo são resolvidos.

Espaços compartilhados exigem a coletividade, que vai além das paredes, é cuidar da casa e do mundo fora dela, é dividir os espaços e alguns objetos.

Compreender que a empatia é transforma a vida de qualquer pessoa é a base do coliving, juntamente com a parceria que o mundo precisa.

Crescimento profissional

A aprendizagem coletiva e colaborativa é o que promove o crescimento profissional em um ambiente de criação. Quando você tem algumas pessoas com habilidades diferentes e, elas são capazes de compartilhar ideias, conceitos e conhecimentos uns dos outros, sendo capazes de ensinar e aprender uns com os outros.

Não só você será capaz de aprender novas habilidades, mas sua rede também cresce dez vezes mais, entrando em uma comunidade internacional de pessoas que estão dispostas e abertas a fornecer valor para os outros.

Como o coliving funciona no Brasil

No Brasil o conceito coliving de moradia compartilhada está aos poucos ganhando seu espaço e aumentando o número de adeptos.

É fácil encontrar na internet iniciativas para compartilhar moradia de idosos, estudantes e, acredite até de famílias inteiras.

Talvez a maior dificuldade quanto a aceitação do coliving no Brasil sejam as leis pois até os dias de hoje não possui algum reconhecimento formal perante o legislativo.

Podemos dizer que é um movimento com grande chance de se tornar irreversível e potencializar novas tendências, como a segmentação, presente na Ignitions Mansion, com empreendimentos voltados para públicos específicos, como profissionais liberais jovens e pessoas idosas. Além do que, o Coliving tende a ser uma alternativa à escassez crescente de espaços urbanos habitáveis.

Qual é o público coliving

Ainda que não exista qualquer proibição relativa à faixa etária, é fato que pessoas mais jovens e com uma vida já independente, inclusive profissional home office, mais dinâmica, tendem a se adaptar melhor ao coliving.

Os nômades digitais e profissionais habituados ao coworking se dão bem nesse tipo de moradia, que só tende a crescer no país devido às mudanças no mundo do trabalho e estilo de vida.

O conceito de coliving combina com você? Comente abaixo!

CLIQUE AQUI para baixar o Ebook Gratuito “Como evitar os 7 Pecados dos Investidores”!

Você também pode gostar

Deixe um comentário