Onde os pais erram e acertam ao dar mesada aos filhos

Onde os pais erram e acertam ao dar mesada aos filhos

Dar mesada aos filhos é um tema bastante debatido, e por vezes criticado, por profissionais da educação. Porém, de um ponto de vista econômico, a educação financeira desde pequeno contribui na formação de um consumidor consciente.

Existem muitos pais que estão cansados de escutar as crianças pedirem mais e mais coisas materiais. Geralmente pensamos: Por que elas não valorizam o que tem? Por que sempre estão pedindo por mais coisas?

Podemos dizer que isso é um “poder de atazanar” os pais e acredito que seja um dos sintomas devido ao momento em que vivemos, onde a gratificação material imediata é uma regra. Educar o seu filho para um futuro consciente faz parte da criação de um ser humano melhor.

Mesada aos filhos: principais erros dos pais

Dividimos alguns erros e acertos dos pais na educação financeira, mais especificamente na mesada. Confira:

#1. Começar muito tarde

É claro que isso depende do estilo de vida de cada família, mas o ideal é que comece a partir dos seis anos, pois é quando a criança está sendo alfabetizada e estão lidando frequentemente com números.

#2. Não adequar o valor

Dar um valor alto demais pode incentivar o seu filho ao consumismo, enquanto pouco demais pode frustrar a criança por não cobrir os gastos. Pense num valor equilibrado de acordo com a rotina do seu filho e da sua família.

#3. Associar a mesada à realização de uma tarefa

Não é completamente um erro, pois você está condicionando o seu filho a ter recompensa pelos seus esforços. Porém, isso insinua que essas tarefas precisam ser sempre gratificadas. Converse e veja a possibilidade de adequar gratificações ou punições de acordo com as atitudes dele.

#4. Complementar a mesada

Em geral a falta de dinheiro deriva da má administração da mesada, então oferecer complemento acaba não sendo educativo na hora de rever os gastos.

#5. Criar diferenças

Se você tem um casal de filhos, por exemplo, a diferença de valores da mesada deve ser feita de acordo com a idade. Um adolescente tem mais gastos do que uma criança pequena. Não faça distinção por meninos e meninas, pois o mercado profissional já está cheio e ter essa diferenciação por gênero pode afetar negativamente sua família.

Principais acertos dos pais ao garantirem a mesada aos filhos

Tenha uma periodicidade

Converse com a criança e entre em um acordo para a periodicidade da mesada. Ou seja, ela vai ter que entender que o dinheiro entra uma vez por mês ou a cada quinze dias e que é preciso se organizar para o dinheiro cobrir as despesas desse período.

Dizer não

Durante a implementação da mesada, você vai se deparar com a seguinte situação: a criança vai gastar todo o dinheiro antes de o mês terminar. É natural, ela está aprendendo e vai pedir mais quando isso acontecer. Mas ela deve vivenciar as consequências de seus atos.

Negociar empréstimos

Vamos a uma situação hipotética: você está no shopping com seu filho e ele implora por um brinquedo dizendo que tem o valor guardado em casa. Enquanto você estiver confortável com o brinquedo e o valor dele, fazer um empréstimo a curto prazo pode ser uma boa lição para seu filho. Não dê o brinquedo até que ele lhe dê o dinheiro.

Se ao chegar em casa, ele descobre que ele não tem o suficiente para pagar, guarde o brinquedo até que ele ganhe ou economize o dinheiro.

Se o dinheiro nunca vier, sinta-se livre para ser criativo: na próxima vez que você entregar a mesada, inclua uma “conta” para o brinquedo.

Adiamento mediante responsabilidade

Se seu filho é responsável com o dinheiro, você pode adiantar um valor da mesada para ele ir ao cinema ou fazer um lanche, mas não deixe que isso se torne um hábito e ensine ele a sempre ter uma quantia guardada para situações assim.

Seu filho pode ficar triste por não ir ao cinema caso você diga não, mas ele vai aprender sobre a importância de construir um fundo para essas ocasiões.

Por que dar uma mesada

O mais importante na decisão de dar uma mesada às crianças é a geração de experiências, positivas e negativas, na vida dela. Aprenderão a viver com limites e a terem que fazer escolhas; a controlar, pesquisar preços, poupar e planejar compras.

Muitas vão desenvolver habilidades, atitudes e posturas importantes para que, quando adultas, tenham uma vida financeira tranquila e com boas perspectivas.

No final, o importante é entender que o dinheiro é uma ferramenta para aprender. Caso o seu filho não tenha um bom comportamento na escola, por exemplo, não use a mesada como castigo. Se quando a eles não terminam ou não querem fazer uma lição nós não retiramos os livros, não há porque retirar o dinheiro.

Crie um calendário para te ajudar a lembrar. Por outro lado, não se sinta preso, você sempre pode se sentar com seu filho e criar um plano diferente do que não está dando certo.

Se não consegue decidir o valor da mesada por semana, a melhor escolha é optar pelo menor valor. Não parece muito justo, mas é muito mais fácil subir o valor da mesada do que diminui-lo. Além disso, será um desafio para o seu filho ter que viver com menos recursos.

Mas não basta dar apenas a mesada. É necessário dar orientações e educação financeira desde cedo.

Como você ensina finanças aos seus filhos? A mesada é garantida? Deixe sua experiência nos comentários.

CLIQUE AQUI para conhecer o Programa Mente Rica!

Você também pode gostar

Deixe um comentário