7 de março de 2020

Os reais motivos sobre a Queda da Bolsa

Os reais motivos sobre a Queda da Bolsa

O coronavírus chegou ao Brasil e a bolsa caiu! Até onde esta frase tão repetida nos últimos dias é verdadeira?

Assista a live sobre o assunto, clicando aqui!

E neste artigo você tem um apanhado sobre os motivos, além do coronavírus para a queda da bolsa.

O que os coronavírus têm a ver com a queda bolsa de valores?

Para entender qualquer movimentação na bolsa e outros investimentos é necessário compreender mais do que apenas números. Demanda assimilar os fundamentos econômicos, bem como os possíveis impactos por situações externas.

O coronavírus surgiu em um país que está entre as maiores economias mundiais. Esse fato, por si só, já oferece um comprometimento na economia de vários países que mantém negociações com a China.

Logo após o anúncio do vírus, algumas empresas brasileiras que dependem do mercado da China, já começaram a sentir o impacto da doença em seus resultados.

Para se ter ideia, o primeiro caso do novo coronavírus foi anunciado no dia 24 de janeiro, e já no dia 28 algumas empresas previam consequências negativas da propagação do vírus em seus números.

Coronavírus afeta a empresas brasileiras

Coronavírus afeta a empresas brasileiras (Folha de São Paulo – 29.jan.2020)

A preocupação foi observada principalmente em empresas de commodities, pois a epidemia afeta as cadeias de suprimentos e suspende produções. E é fácil entender o porquê, afinal, em novembro de 2019 a China ampliou sua importação de petróleo, minério de ferro e cobre. Agora, todas as empresas fornecedoras dessas commodities sentem o impacto do coronavírus.

Além de afetar diretamente as indústrias de commodities, a diminuição da expectativa de crescimento acontece para várias outras empresas, como as companhias aéreas que transportam pessoas e suprimentos entre países, por exemplo.

As pessoas ficam mais cautelosas em momentos assim e diminuem o consumo, o que impacta na receita final das empresas.  Consequentemente, percebemos também a influência negativa na expectativa de crescimento das economias ou seja, do PIB – Produto Interno Bruto.

Baixa confiança na capacidade da empresa crescer em momentos como esse incentiva a venda das ações. Quando o número de ações sendo vendidas é maior que o número de ações que sendo compradas o valor do ativo diminui.

Este movimento aconteceu em várias empresas ao mesmo tempo e, no dia 26 de fevereiro, a Bovespa caiu 7% como resultado.

Nem tudo é culpa do coronavírus!

Existe sim uma relação entre a queda da bolsa e o coronavírus, no entanto, seria injusto afirmar que este resultado tenha sido apenas por esse motivo.

Vários países sentiram a desvalorização, no entanto, ao comparar a bolsa brasileira em dólares (ou seja, o valor da bolsa brasileira dividida pelo valor do dólar), o resultado é de uma queda de 20%, bem superior a bolsas de outros países. O índice do México e da Espanha, por exemplo, caíram cerca de 10%.

Ou seja, além da chegada do coronavírus, existe outro fator que contribuiu para essa queda tão significativa da Bovespa.

E este fator é a falta de confiança!

O mercado é movido por expectativa e confiança. O que vimos acontecer nas últimas semanas, a queda de 7% da bolsa em apenas um dia e mais dias com quedas de mais de 5%, é claramente uma consequência da diminuição da confiança nas empresas.

O funcionamento do mercado pode ser divido em 3 partes:

Investimento – Risco – Retorno

Ao fazer um investimento você corre um risco e abre mão daquele capital, ou seja, fica mais pobre por um tempo com a confiança de obter um retorno e conseguir aumentar sua riqueza. Porém, se algo der errado, a confiança se fragiliza e o investidor corre o risco de, além de não construir mais riqueza, perder parte ou todo o seu capital.

A conta é simples. Quando o risco é maior, a confiança é menor, consequentemente o investimento na economia também.

Por outro lado, quando há confiança, as pessoas investem mais. Assim, a diminuição do RISCO serve de estímulo ao investimento. Afinal, maior número de pessoas passam a ter confiança na possibilidade de ficarem ricas no futuro.

Essa falta de confiança no mercado Brasileiro já tem sido percebida desde maio de 2019, quando o Brasil saiu do ranking de confiança para investimento estrangeiro. O país fazia parte deste ranking desde 1998.

Além disso, em junho do ano passado, o FMI publicou que o Índice de incerteza no Brasil é o mais alto da história.

Cada vez mais o que vemos no Brasil é a volubilidade da bolsa. Uma queda de 7% em um dia é um resultado de muita incerteza e pouca previsibilidade no mercado.

Coronavírus e queda da bolsa

De fato, o maior impacto do coronavírus na economia, é a desaceleração da economia na China e no mundo. É verdade que a epidemia influenciou os resultados da bolsa nos últimos dias, no entanto, este resultado da queda da bolsa brasileira em dólares de quase 20% desde o início do ano, não é consequência apenas do coronavírus.

Este resultado também pode ter relação com a falta de confiança no país,  resultado das incertezas tanto políticas, quanto econômicas.

Coronavírus e a queda da bolsa

Coronavírus e a queda da bolsa

Esta semana também foi divulgado um crescimento do PIB menor que o esperado. Todas estes índices externos e internos interferem na confiança para investir na bolsa.

O governo tem adotado algumas medidas, como a baixa de juros, para conter a paralisia da atividade econômica, no entanto isso não é suficiente para restabelecer a confiança.

Em um país que tem apresentado cada vez mais instabilidade, as pessoas precisam buscar possibilidades de se proteger financeiramente nos próximos anos.

Para os próximos meses a perspectiva sobre a economia e política brasileira vai ter que mudar para atrair quem está de fora, apenas observando, ou estas iniciativas realizadas pelo governo não serão suficientes para promover o investimento no país.

É como a frase atribuída a John Heywood “você pode muito bem levar o cavalo até a água, mas não pode obrigá-lo a bebê-la.”

Em momentos como este é preciso conhecimento para se blindar das incertezas e fazer a escolha mais acertada.

Para  sentir-se mais seguro conheça o e-book  7 PECADOS CAPITAIS DOS INVESTIDORES.

É um material gratuito para você iniciar no mercado de investimentos já sabendo o que NÃO FAZER!

E se você quer saber no detalhe O QUE FAZER e como fazer, o Investidor Mestre pode te ajudar.

Forte abraço,

Equipe Edu Moreira

🔴 Curta também as redes sociais! 📷Instagram / 👍Facebook / 🎥 YouTube

Eduardo Moreira

Eleito um dos três melhores economistas do Brasil pela Revista Investidor Institucional, Eduardo Moreira foi apontado pela Universidade da Califórnia como o melhor aluno do Curso de Economia nos últimos 15 anos. Autor de diversos best-sellers, Eduardo foi o primeiro brasileiro a ser condecorado pela rainha Elizabeth II no Castelo de Windsor, em junho de 2012.

Saiba Mais
Deixe um comentário
Você também pode gostar
Reinvenção do país depende do investimento na educação
+
Reinvenção do país depende do investimento na educação A educação é um dos pilares essenciais na evolução do ser humano. Em cada conquista rumo à civilização, há a necessidade de transmissão aos seus ...
5 de outubro de 2020
Quem pode financiar imóvel?
+
Quem pode financiar imóvel? Financiar imóvel é o caminho mais procurado por quem quer realizar o sonho da casa própria. Afinal de contas, você pode parcelar em até 35 anos! É um período ...
2 de dezembro de 2020
O que é Selic e tudo que você precisa saber sobre essa taxa
+
O que é Selic e tudo que você precisa saber sobre essa taxa Recentemente, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu por reduzir a taxa Selic de 2,25% para 2% ao ano. Com isso, o Brasil passa a ter um ...
7 de outubro de 2020