14 de setembro de 2021

Certificado de Operações Estruturadas: o que é e como investir

Certificado de Operações Estruturadas: o que é e como investir

O Certificado de Operações Estruturadas (COE) não era muito conhecido pelos brasileiros até pouco tempo atrás, quando o seu acesso foi facilitado ao público em 2016, mas ele pode ser uma ótima opção para quem busca diversificar seus investimentos.

O Certificado de Operações Estruturadas é um produto financeiro que mescla aplicações e características de renda fixa e de renda variável.

Por ser um conjunto de ativos, essa modalidade lembra um pouco o funcionamento dos fundos de investimentos. Porém, além de ter um valor mínimo de investimento e um indexador definido, o COE possui também uma data de vencimento e apresenta ao investidor uma série de cenários diferentes de ganhos e perdas.

A principal vantagem do COE é que ele combina a proteção oferecida pela renda fixa com a possibilidade de ganhos mais robustos proporcionada pela renda variável e ainda é possível acessar diversos ativos internacionais.

Como funciona?

Os COEs são emitidos pelos bancos. De acordo com a regulação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), todos precisam ser registrados junto à B3 (antiga Cetip).

As instituições que emitem o COE precisam fornecer o Documento de Informações Essenciais (DIE), que especifica todas as características do investimento. Esse documento deve conter:

  • explicações sobre o funcionamento do produto;
  • a previsão de fluxo de pagamentos;
  • os riscos envolvidos;
  • as garantias que existirem.
  • os prazos;
  • a expectativa de rentabilidade;
  • entre outros dados.

O Certificado de Operações Estruturadas é dividido em dois grupos

COE de Valor Nominal Protegido: garantem que o investidor receberá de volta no mínimo o valor que investiu inicialmente – mesmo que os ativos de referência do produto tenham um desempenho negativo. Essa categoria costuma ser indicada para quem ainda tem pouca experiência no mercado financeiro ou muita aversão à perda.

COE de Valor Nominal em Risco: não há nenhuma garantia. O investidor pode perder até o limite do capital que foi inicialmente investido.

Valor mínimo de investimento

O valor mínimo de investimento em um COE varia de produto para produto. Muitos COEs são emitidos com valores mínimos a partir de R $5.000. Esse valor vai variar de acordo com o nível de complexidade da aplicação, o patamar de risco embutido, o potencial de ganho, entre outros aspectos. Quanto mais sofisticado for o COE, maior tende a ser o valor mínimo de investimento.

Custos e Taxas

A negociação do Certificado de Operações Estruturadas pode gerar taxas, dependendo da operadora com a qual você investe.

Além disso, os COEs seguem a tabela regressiva de Imposto de Renda da Renda Fixa. Sendo assim, as alíquotas variam de 22,5% a 15%, de acordo com o prazo da aplicação.

Certificado de Operações Estruturadas

Riscos do Certificado de Operações Estruturadas

Há três riscos principais ao investir em Certificado de Operações Estruturadas.

Risco de crédito do emissor: os COEs não têm a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), então o recebimento dos pagamentos dos certificados está sujeito ao risco de crédito do emissor;

Custo de oportunidade: para ter a garantia de receber o investimento inicial de volta, o investidor abre mão da rentabilidade de outra aplicação. Uma possibilidade real no caso dos COEs é ter um “empate” no fim do investimento, ou seja, ficar no “zero a zero”;

Risco de liquidez: os COEs têm uma data de vencimento fixa, e normalmente ela não ocorre no curto prazo. Em geral, os certificados são emitidos com prazos de pelo menos dois ou três anos, mas muitos podem chegar a cinco anos.

Resgate antecipado do COE

É possível negociar o certificado no mercado secundário, ou seja, o título pode ser vendido diretamente a outro investidor que esteja interessado no produto. As corretoras atuam na intermediação desse tipo de operação.

Para quem é indicado?

Como falamos anteriormente, há opções de COEs tanto para investidores conservadores, quanto para investidores mais arrojados. Como é um investimento com baixa liquidez, é mais indicado para quem busca investimento de médio ou longo prazo.

Se você quer aprender mais sobre investimentos, assista essa aula gratuita em que o Eduardo Moreira ensina como construir, aumentar e preservar patrimônio em qualquer cenário econômico.

Equipe Edu Moreira

🔴 Curta também as redes sociais! 📷Instagram / 👍Facebook / 🎥 YouTube

Eduardo Moreira
Eduardo Moreira

Eleito um dos três melhores economistas do Brasil pela Revista Investidor Institucional, Eduardo Moreira foi apontado pela Universidade da Califórnia como o melhor aluno do Curso de Economia nos últimos 15 anos. Autor de diversos best-sellers, Eduardo foi o primeiro brasileiro a ser condecorado pela rainha Elizabeth II no Castelo de Windsor, em junho de 2012.

Saiba Mais
Você também pode gostar
Valores a Receber do BCB: o que é e como consultar?
+
Valores a Receber do BCB: o que é e como consultar? Esquecer dinheiro no bolso da calça ou do casaco é até normal. Mas já pensou ter valores a receber de um banco? Com o novo serviço do Banco Central do Brasil ...
27 de abril de 2022
Fundos de investimento ativo ou passivo: como escolher onde investir?
+
Fundos de investimento ativo ou passivo: como escolher onde investir? Os fundos de investimento ativo ou passivo possuem características próprias muito importantes que devem ser consideradas, como a praticidade. É impossível negar ...
23 de fevereiro de 2022
Conheça os 7 pecados capitais dos investidores e proteja as suas finanças
+
Conheça os 7 pecados capitais dos investidores e proteja as suas finanças Para ser um bom investidor, você precisa conhecer os 7 pecados principais nos investimentos. Você já ouviu falar no Princípio de Pareto? Esse conceito ...
29 de março de 2022