Como a taxa Selic influencia nos seus investimentos

Como a taxa Selic influencia nos seus investimentos

A taxa Selic é a taxa que o governo paga quando pega dinheiro emprestado. Por isso, ela também é conhecida como taxa básica de juros, justamente porque serve como a base para os juros de toda a economia do país.

Segundo o Banco Central, é a taxa média ajustada dos financiamentos diários apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia para títulos federais. Ou seja, a taxa Selic é o valor de taxa de juros que o governo utiliza para pagar pessoas e instituições que investiram em seus títulos.

Ela é definida pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central. Ou seja, só existe um valor correto e oficial, que é atualizado a cada 45 dias.

Sua variação existe de modo a tentar controlar a economia. Assim como as pessoas bem informadas, os bancos estão sempre procurando os melhores investimentos possíveis.

Então, se a taxa Selic aumenta, emprestar dinheiro para o governo pode se tornar uma ótima opção. O contrário acontece quando os valores caem.

A taxa Selic afeta meu investimento?

Qualquer mudança na taxa básica de juros afeta os investimentos.

Pois é a partir dela que podemos avaliar se o investimento é atraente ou não, ou até mesmo calcular a remuneração da aplicação.

Taxa Selic e Renda Fixa

Os investimentos em renda fixa são, em sua maioria, atrelados a taxas de juros. Por isso, mudanças na Selic afetam diretamente o quanto cada um desses investimentos rende.

Ou seja, quando a taxa Selic é alterada, a rentabilidade desse investimento acompanha a mudança.

Isso se aplica para Letra de Crédito Imobiliário (LCI), a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) e o Certificado de Depósito Bancário (CDB), além de outros títulos privados pós-fixados, como o Tesouro Selic.

Já no caso de títulos prefixados, a situação é um pouco diferente. Se você já comprou um título que paga, por exemplo, 10% ao ano, a variação da Selic não afeta aquele rendimento.

Você poderá resgatar, no vencimento, o valor investido corrigido pela taxa combinada.

Taxa Selic e Renda Variável

Papéis de empresas não estão diretamente atrelados a taxas de juros, mas sofrem a influência das condições de mercado e da economia como um todo.

Cenários de queda dos juros facilitam o acesso a crédito para as empresas investirem na produção e na contratação de mão de obra, bem como incentivam as pessoas a consumirem mais, fazendo a economia se aquecer.

O que, por consequência, favorece a alta dos papéis.

O contrário também é verdadeiro: quando os juros sobem, fica mais caro obter crédito, e a economia reduz sua atividade.

Dessa forma, a tendência é que as ações tenham quedas por causa dos maus resultados das empresas.

A Taxa Selic e a Poupança

taxa selic

Ela influencia diretamente as variações no rendimento da poupança de duas maneiras e ambas podem ser vistas como negativas.

Em um caso, se a taxa Selic está em patamar maior que 8,5% ao ano, a poupança terá rendimento de 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial. Ou seja, não chega a bater a inflação.

No outro caso, se ela for menor ou igual a 8,5% ao ano, a poupança terá um rendimento equivalente a 70% da taxa Selic vigente no período. Então, o rendimento na poupança é minúsculo.

Variações das taxas

É possível consultar o valor da Selic no site do Banco Central. Por exemplo, em janeiro de 2018 esse valor foi de 0,58%, um aumento de 0,04% em relação ao mês anterior.

Esse pequeno aumento pode indicar uma tentativa do governo de controlar a inflação. Atualmente os valores estão baixos, atingindo nos menores números desde o início de 2013.

Já no âmbito anual, a previsão em 2018 é uma taxa acumulada de 7%. O valor baixo significa um bom momento para o reaquecimento da economia.

Taxa Selic e a inflação

Como o patamar dos juros é responsável pela quantidade de dinheiro circulando pela economia, a taxa Selic é diretamente ligada ao controle da inflação.

A lógica é simples: com juros menores, há mais incentivos para que o dinheiro circule. Ele passa a ser mais bem remunerado sendo investido no setor produtivo, por exemplo.

E com mais dinheiro circulando, a pressão inflacionária é maior. Isso funciona até que se encontre um ponto de equilíbrio entre a atividade econômica e o controle da inflação.

O patamar considerado baixo para a taxa de juros, no entanto, varia de país a país. No Japão, por exemplo, ela chega a ser negativa e isso não é o suficiente para aquecer a economia do país, que com frequência está em deflação.

Por outro lado, se a inflação subir mais do que o esperado, a taxa Selic anual também pode subir.

CLIQUE AQUI para baixar o Ebook Gratuito “Como evitar os 7 Pecados dos Investidores”!

Equipe Eduardo Moreira

Você também pode gostar

Deixe um comentário