Como funciona a alocação de ativos (guia para iniciantes)

Como funciona a alocação de ativos (guia para iniciantes)

Alocação de ativos é uma estratégia usada com o objetivo de diminuir a volatilidade dos resultados de determinado investimento.

Ou seja, a dispersão ou variação do retorno que o ativo dará a longo prazo.

Pode parecer um bicho de sete cabeças, mas não é.

Entenda melhor tudo isso funciona com nosso guia para iniciantes!

Entendendo o que é alocação de ativos

Primeiramente, são considerados ativos financeiros tudo aquilo que pode ser negociado no mercado econômico.

Neste sentido, a alocação (destino) de ativos é importante para o planejamento financeiro porque está relacionada aos ricos de cada investimento a longo prazo e pode ser utilizada em diferentes categorias.

Os ativos mais comuns são:

  • de ações (venda fracionada de uma empresa);
  • de câmbio (compra e venda de moedas de diferentes países);
  • de Commodities (compra e venda de matérias-primas para indústria);
  • de títulos públicos e privados (formas do governo e empresas captarem recursos, permitindo que investidores concedam verbas e tenham determinado lucro depois).

Na alocação de ativos devem ser considerados itens como diversidade de investimentos, o limite de risco, idade e perfil do investidor, situação financeira, objetivos e, além disso, todo cenário econômico.

Ok, a parte teórica você já entendeu. Vamos para a prática!

Como funciona a alocação de ativos

O primeiro ponto importante para, de fato, entender o que significa alocação de ativos é conhecer sobre investimentos.

O mercado financeiro é uma caixinha de surpresas, na qual quanto mais arriscado for seu ativo, maiores chances de rendimentos o investidor terá.

Ao mesmo tempo que isso é bom, é possível observar que os riscos aumentam nesta mesma proporção.

Ser responsável pelo equilíbrio entre o arriscado e o rentável é a principal função da alocação de ativos. Ela é utilizada ainda na fase de planejamento, onde o investidor escolherá seu portfólio (carteira de investimentos).

Neste momento, a diversidade deve ser o foco: o ideal é estruturar bem uma carteira para que assim se possa ter controle das futuras aplicações.

O fato é que com a diversificação, os riscos de perder dinheiro são menores porque é como se existisse uma compensação entre os ativos.

Por isso, mesmo quando um ativo de sua carteira tiver um resultado negativo, ou vários deles sejam de alto risco, seguir o princípio da alocação reduz o risco e garante a rentabilidade.

Entender como funciona na prática a alocação de ativos é simples:

1. Primeiro delimite o percentual para cada investimento;

2. Depois é o momento de escolher os ativos de cada um;

3. Com os ativos delimitados, organize o investimento para cada um (lembrando sempre de diversificar e deixando os valores da carteira equilibrados);

4. Finalmente, fique de olho e veja se a estratégia funcionou.

Vantagens da alocação de ativos

alocação de ativos 1

  • Mais facilidade

É simples. Entender o que é e como funciona não é um bicho de sete cabeças. Para investidores iniciantes, principalmente, a estratégia gera menos ansiedade e estresse.

  • Minimiza riscos

Além de ser simples, quem usa esta estratégia pode ficar mais tranquilo porque, mesmo que a se tenha queda na Bolsa de Valores, as perdas de investimento serão menores ou nulas. Independente de como esteja o mercado, o retorno será suavizado.

  • Menos custos

Você não vai precisar de uma empresa dizendo para qual caminho o mercado vai. Basta entender como funciona, acompanhar as médias e investir nos títulos sempre com o objetivo de diminuir os riscos.

  • Equilíbrio da carteira

Ao invés de ficar acompanhando, tomado de insegurança, seu investimento diariamente, saber que tudo ficará bem no final faz com que se consiga investir com serenidade e sabedoria. O planejamento é necessário para que o portfólio tenha sucesso e seja otimizado.

  • Ganhos a longo prazo

O investidor que pensa a longo prazo e tem paciência para esperar, certamente terá excelente rentabilidade. O ideal é concentrar os investimentos em ativos com chances reais de valorização, os adaptando de acordo com seu perfil.

Como o risco de mercado afeta seu investimento

O risco de mercado se refere às alternâncias que determinado investimento pode ter a longo prazo, sendo definido por sua possibilidade de dar negativo. Ou seja, as chances de o investimento produzir perda.

Estes riscos se dão pela oscilação do mercado em relação a cada ativo e podem ocorrer por motivos distintos como recessão, desastres naturais, mudança nas taxas de juros e cambiais e outros.

É possível calcular os riscos, mas o objetivo não deve ser acabar com todos eles, mas, sim, controlar para que não haja surpresas, perda de tempo e falta de rentabilidade na carteira.

O impacto disso nos investimentos são inúmeros, então, separamos os riscos dos principais ativos: cambio, fundos imobiliários, fundo de ações e de renda fixa.

  • Renda Fixa: por ser ligada ao Tesouro Direto, quem escolhe títulos deste tipo sofre menos risco de mercado.
  • Fundo de Ações: nesta categoria são observados os maiores riscos por estarem anexados às movimentações da bolsa de valores.
  • Fundo Imobiliário: apesar de estar voltando a crescer, sofre com grandes riscos do próprio setor e, principalmente, com os efeitos da crise.
  • Câmbio: o dólar e o euro são voláteis, por isso, os riscos se dão pela valorização e desvalorização das moedas.

Portanto, entender o que pode acontecer com seu investimento é importante para que se consiga minimizá-los.

Investir com consciência e segurança fará com que os resultados a longo prazo sejam melhores.

Avalie seu estilo e perfil de investidor, diversifique sua carteira e, assim, terá bons rendimentos.

CLIQUE AQUI para conhecer o Sistema 3C da Construção de Riqueza!

Você também pode gostar

Deixe um comentário