Como funciona a participação do plano de saúde?

Como funciona a participação do plano de saúde?

Certamente se você possui um plano de saúde já ouviu diversas vezes falar em coparticipação, e até mesmo pode fazer esse modelo de pagamento, mas você sabe o que isso significa?

Muitas pessoas aderem a planos de saúde sem nem mesmo saberem se é algo viável para a sua situação. Sem, também, saberem sobre a coparticipação, suas regras e principalmente o motivo de ser cobrada.

Sendo assim, confira neste artigo tudo o que você precisa saber sobre a coparticipação, e de que maneira você consegue pensar nos ganhos possíveis dentro das possibilidades e condições que são postas.

O que é participação do plano de saúde 

A coparticipação e um plano de saúde é o valor cobrado por atendimento realizado, além do custo mensal que você já possui. É justamente essa cobrança extra que coloca muitas pessoas em dúvida sobre essa ação.

A primeira atitude que muitos pensam em tomar, é imediatamente é cancelar o plano ou buscar por algumas possibilidades de pagamento sem a coparticipação. Isso acontece por conta da falta de informação.

Saber exatamente o que pode ser feito e como pode ser feito é fundamental além de ter em mente que esse pagamento nem sempre é algo negativo, e pode ter a sua importância no processo de atendimento.

Como funciona

A cobrança feita pela coparticipação depende muito de plano para plano. Uns estabelecem valores fixos e outros trabalham com uma porcentagem do valor cobrado no atendimento.

Ou seja, você pode ter uma coparticipação fixa de R$30 por atendimento ou de 15% em cima do valor cobrado pelo hospital, ou clínica. O que fica a cargo de como cada plano vai proceder.

As regras básicas e todas as indicações estão devidamente registradas pela ANS (Agência Nacional de Saúde), que vai, estabelece-las para essa cobrança. Esta, pode ser a sua cartilha para saber se a cobrança está dentro da legalidade.

É melhor um plano sem coparticipação?

Por pensarem que alguns valores cobrados por coparticipação estão acima do aceitável ou do possível, algumas pessoas pensam que as modalidades que não trabalham com coparticipação são as mais indicadas.

Na verdade, a diferença é justamente no valor. Em termos gerais, o que é oferecido por planos com coparticipação e sem coparticipação é a mesma coisa, mesmas clínicas, mesmo profissionais. As duas formas de contrato são válidas.

A única diferença é que os planos sem coparticipação tendem a ser um pouco mais caros. Os que trabalham com essa cobrança, contudo, possuem um valor abaixo, e um acréscimo por atendimento feito.

Como funciona a participação do plano de saúde

Planos familiares também são considerados

Outro ponto que gera alguma discussão é se os planos familiares também são passíveis dessa cobrança, isso é  algo que você precisa ficar sempre atento e também fazer algumas contas.

Não somente os planos individuais estão sujeitos aos encargos de coparticipação, como também alguns dos planos familiares, que também oferecem os custos referentes a cada atendimento realizado.

Quais as vantagens

Existem algumas vantagens do plano com coparticipação e a principal delas é que o valor da mensalidade é mais baixo do que os que não trabalham com esse custo por atendimento, o que é algo interessante.

Sendo assim você só paga a mais quando realizar um atendimento médico. Por isso, se você não é de ir em médico sempre, mas somente um período específico para consultas de rotina, pode ser uma boa pedida.

Logo, você tem um plano, paga um valor menor por mês, e somente arca com os custos caso procure atendimento médico. Tendo que arcar com parte dos custos que geralmente costumam ser acessíveis.

Como saber se é viável ou não

Como já foi dito, os planos com coparticipação trazem algumas vantagens como um valor menor na mensalidade cobrada, e isso ajuda a você planejar como vai utilizar o seu plano da melhor maneira.

Por outro lado, se você é uma das pessoas que precisam de um acompanhamento constante no médico o plano com coparticipação não é indicado, já que assim você pode ter um custo muito mais alto por mês.

Outro fator que não ajuda é caso você tenha problemas de saúde recorrentes e que visite a emergência com alguma frequência. Neste contexto o plano com coparticipação também não é nada indicado.

Coparticipação dos planos de saúde é uma maneira de você conseguir planejar bem o uso e também de controlar o quanto gasta com essa ferramenta.

Mesmo não sabendo exatamente de qual forma, é preciso que você pense bem se vale a pena, avaliando os pontos que foram mencionados.

Já pensou em acrescentar algum familiar na participação do plano de saúde? Comente abaixo!

CLIQUE AQUI para conhecer o Sistema 3C da Construção de Riqueza!

Equipe Eduardo Moreira.

Você também pode gostar

Deixe um comentário