23 de outubro de 2018

Financiamento de veículo: 4 dicas para fazer um bom negócio

Financiamento de veículo: 4 dicas para fazer um bom negócio

É inevitável! Chega um momento da vida em que você pensa: “preciso comprar um carro”. Confira 4 dicas para fazer um bom financiamento de veículo.

O CDC (Crédito Direto ao Consumidor) se mantém como a opção mais utilizada por quem quer adquirir um veículo. Segundo o Banco Central, os brasileiros tomaram R$ 8,48 bilhões em crédito para comprar carros em abril de 2018.

O financiamento é uma modalidade de compra a prazo oferecida por bancos e instituições financeiras para aqueles que não podem adquirir o veículo à vista ou preferem deixar o dinheiro aplicado.

Tipos de financiamento de veículo

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

Pelo CDC, o consumidor realiza um empréstimo em um banco para comprar o carro. O veículo fica de posse do comprador, mas não pode ser negociado, pois está alienado ao banco, até que sejam pagas todas as prestações. O contato pode ser feito diretamente com o banco, sem a interferência da concessionária.

Dessa forma, pode negociar as taxas de juros que serão pagas. Elas são fixadas no início do contrato e não sofrem alterações durante o pagamento das prestações.

Leasing

Nesse tipo, o carro não é do consumidor, mas sim de uma empresa que aluga o veículo. A taxa de aluguel é a prestação do carro, após o fim das prestações, o veículo passa para o nome do consumidor.

Isso possibilita uma negociação direta em relação às taxas de juros, que são fixadas no início do contrato e não sofrem alterações ao longo do período de pagamento.

Consórcio

O consórcio é uma opção para quem não tem pressa. O cliente paga as prestações e só adquire o carro quando é sorteado. Nessa situação, diferentemente do CDC e do leasing, as prestações sofrem alterações, ao longo do pagamento, de acordo com a variação do preço do automóvel que será adquirido.

4 dicas para acertar no financiamento de veículo

Financiamento de veículo

No cenário atual, as instituições financeiras estão estimuladas a agilizar a liberação de crédito para atrair consumidores. Antes de decidir, leve as seguintes dicas em consideração:

1. Sem as finanças no lugar, nada de carro

É necessário ter em mente qual o seu poder de pagamento de uma parcela. Então, a partir daí é pesquisar muito: buscar preços, condições tanto nas lojas como também nos bancos e não fechar negócio no primeiro lugar.

2. Preste atenção no CET

O consumidor deve ficar atento ao Custo Efetivo Total (CET) do financiamento, que mostra as taxas inclusas, além dos juros, Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), tarifa de cadastro e seguros.

O levantamento feito pela Proteste Associação de Consumidores encontrou variações significativas para o mesmo modelo de carro.

Utilize ferramentas disponíveis na internet que podem ajudar na comparação de financiamento e pesquise bastante o CET. Quanto menor, mais em conta vai ser o valor que você vai pagar pelo carro.

3. Poupe para a entrada

Ao optar por um financiamento, faça uma boa reserva capaz de garantir a maior entrada possível. Quanto mais alta, melhores serão as chances de negociar descontos e facilidades nas parcelas.

4. Custos extras

Ao assumir um financiamento, analise todos os gastos com a nova aquisição. Isso porque há outros custos envolvidos na manutenção de um carro.

Além da prestação, leve em conta, por exemplo, o Imposto sobre Veículos Automotores (IPVA), seguro, combustível e eventuais consertos como as revisões previstas no manual do carro e que são obrigatórias para validade da garantia.

Condições nos principais bancos

Banco do Brasil

O BB tem taxas reduzidas para a contração do crédito por meio do aplicativo BB Crédito Mobile. A taxa mínima é de 1,19% ao mês e varia de acordo com o relacionamento do cliente com o banco, ano de fabricação do veículo, percentual de entrada e prazo de financiamento. Dependendo do perfil do cliente, a aprovação é imediata.

Bradesco

O banco financia até 100% do veículo com prazo de até 60 meses para pagar. A primeira parcela pode ser paga em até 62 dias. É possível fazer a simulação e ter acesso à taxa de juros e ao Custo Efetivo Total do financiamento.

Caixa Econômica

O Crédito Auto Caixa permite o financiamento de até 80% do valor do veículo, com taxas de juros prefixadas a partir de 1,24% ao mês. O prazo para pagar é de até 60 meses e ainda tem a possibilidade de adiar o pagamento de uma prestação por ano.

Itaú

O financiamento de acessórios e serviços é outra opção que o banco também dispõe. Ele permite a inclusão de até 10% do valor do carro para custear peças e serviços como despachante, revisão programada, manutenção, banco de couro, rastreador/localizador, entre outros.

Santander

É possível financiar até 100% do valor do veículo com até 60 meses para pagar e pode ser feito por meio do aplicativo do. O Santander, inclusive, dá até 59 dias para pagar a primeira parcela. Podem ser financiados veículos com até 10 anos de fabricação.

Você tem alguma experiência com financiamento de veículo? Conte para nós!

CLIQUE AQUI para baixar o Ebook Gratuito “Como evitar os 7 Pecados dos Investidores”!

Equipe Eduardo Moreira

Eduardo Moreira
Eduardo Moreira

Eleito um dos três melhores economistas do Brasil pela Revista Investidor Institucional, Eduardo Moreira foi apontado pela Universidade da Califórnia como o melhor aluno do Curso de Economia nos últimos 15 anos. Autor de diversos best-sellers, Eduardo foi o primeiro brasileiro a ser condecorado pela rainha Elizabeth II no Castelo de Windsor, em junho de 2012.

Saiba Mais
Deixe um comentário
Você também pode gostar
Dá para comprar um imóvel sem entrada?
+
Dá para comprar um imóvel sem entrada? Comprar um imóvel sem entrada é possível, mas não é tão fácil. Os bancos costumam pedir uma quantia equivalente a 20% ou 30% do valor do imóvel como ...
9 de dezembro de 2020
O que você precisa saber sobre CDI
+
O que você precisa saber sobre CDI O mercado financeiro é cheio de siglas e CDI é uma recorrente para quem investe. CDI, ou Certificado de Depósito Interbancário, é um título cuja taxa ...
16 de dezembro de 2020
Conta de luz muito alta: é possível pedir revisão?
+
Conta de luz muito alta: é possível pedir revisão? A conta de luz muito alta é um preço que pagamos por estarmos em casa. A pandemia fez com que o consumo subisse e o impacto médio foi de 3,92% nas contas de ...
23 de novembro de 2020