Você sabe calcular o valor real da sua dívida? Entenda

Você sabe calcular o valor real da sua dívida? Entenda

Você já colocou no papel com é o valor real da sua dívida? Ou nunca fez o cálculo porque não sabe nem por onde começar?

O mais importante aqui é que se você não souber esse valor, não tem como começar a tentar mudar essa situação. E não tem como viver endividado, não é mesmo?

E só a partir do momento que sabe quanto deve e para quem deve, vai poder voltar a ter uma vida financeira saudável.

Veja aqui como realizar calcular o valor real da sua dívida, liquidar todas as suas dívidas e muito mais.

Como calcular o valor real da sua dívida

Você está endividado, mas tem noção de qual é o valor real da sua dívida? Está devendo cartão de crédito, cheque especial, tem algum empréstimo? É importante saber qual é a sua situação atual.

Mas se não sabe por onde começar a fazer esse cálculo, veja os passos abaixo.

Passo a passo para calcular o valor real da sua dívida

O primeiro passo é anotar ou em um papel ou numa planilha no computador, para quem você deve. Na verdade, nesse momento, nem precisa escrever o valor, mas as pessoas, bancos, lojas a quem você deve.

Depois, anote o valor que deve a cada um deles. No caso dos bancos e cartão de crédito, basta solicitar o extrato da sua conta e do cartão de crédito.

Lembrando que, no caso de algum empréstimo ou financiamento, preste bastante atenção e anote o saldo devedor. Se por um acaso existe alguma conta atrasada, também não deve se esquecer de lançar.

Calculando na prática

Vamos supor que você colocou tudo no papel e já sabe qual é o valor real da sua dívida. O que fazer para equacionar isso tudo?

A primeira coisa é saber também qual é a sua receita. Só assim será possível pensar nas estratégias a serem tomadas para quitar as dívidas.

Com base nas informações que tem sobre as suas dívidas, acrescente também todos os seus custos fixos mensais, como aluguel, conta de luz, de gás, mensalidades escolares, supermercado, etc.

E o que fazer agora? Some as suas dívidas com seus gastos mensais. O ideal é separar as duas coisas, pois isso vai te ajudar a elaborar melhor a sua planilha de pagamentos.

Depois, basta pegar a sua receita e diminuir do que está devendo. Assim, você tem uma visão mais clara e tendo esse planejamento financeiro em mãos, é possível avaliar quais medidas deve adotar para começar a acabar de vez com as suas dívidas.

Você sabe calcular o valor real da sua dívida? Entenda

Como montar um planejamento financeiro

Se você ainda está em dúvida, veja algumas dicas:

  • Anote todos os seus gastos fixos: aluguel, condomínio, contas domésticas, etc.
  • Registre despesas eventuais: compra de um remédio, um presente, etc.
  • Escreva todos os seus gastos diários.
  • Anote despesas com lazer.

Depois de ter anotado tudo, compare agora com a sua receita. O ideal é que pague todas as suas contas e sobre algum dinheiro. Mas caso não sobre nada ou pior, esteja faltando, é a hora de agir.

Reveja suas contas e avalie o que é realmente indispensável. Por exemplo, você tem um plano de celular que te dá direito a X mega de internet, X minutos de ligações. Será que precisa disso tudo? Faça o mesmo para todas as suas contas.

O objetivo aqui é reduzir as suas despesas, de forma que sobre dinheiro para começar a quitar as suas dívidas.

Renegociando as dívidas

Você já fez a lista de todos os seus credores. É o momento de renegociar as dívidas.Converse com o gerente do seu banco e veja a possibilidade de reduzir os juros. Uma outra ideia é contratar um empréstimo pessoal (com juros mais baixos) e quitar dívidas com juros mais altos.

A dica é sempre começar com aquelas dívidas que cobram os juros mais altos, mas fique atento se caso pegue um empréstimo pessoal ou consignado, que tenha certeza que tem como arcar com as parcelas.

Dívidas com cartão de crédito e cheque especial são as mais altas. Por isso que durante um período, evite usar o cartão e o cheque especial. Caso contrário, não vai conseguir nunca colocar sua vida financeira em dia.

A importância de ter uma reserva de emergência

Você sabe que vivemos momentos um tanto quanto instáveis no nosso país, logo, é muito importante você ter uma reserva de emergência.

Alguns especialistas recomendam que o valor dessa reserva deve ser o equivalente a 6 meses do total de todas as suas despesas.

Dessa forma, caso ocorra algum imprevisto ou emergência, você terá, pelo menos, durante um tempo, como cumprir com seus compromissos.

Faça seu dinheiro trabalhar para você

Se equacionou suas dívidas e tem o controle sobre suas finanças, é claro que não quer passar por isso novamente.

Então, busque formas de investir o seu dinheiro. Hoje é possível investir com pouco dinheiro, como é o caso do Tesouro Direto. Procure se informar e encontre um tipo de investimento mais adequado ao seu perfil.

Conclusão

Não é tão difícil assim calcular o valor real da sua dívida, mas é essencial avaliar toda a situação e começar a pensar em estratégias para que ela não cresça ainda mais.

Dependendo da sua dívida, pode ser que demore um pouco para colocar sua vida financeira em ordem, mas tem que começar.

São pequenas atitudes que podem ser incorporadas no seu dia a dia, mas tenha muita disciplina e determinação. E, no final, vai se dar conta que valeu todo o esforço.

Já reorganizou sua dívidas? Conte para nós qual é sua maior dificuldade no planejamento das finanças.

CLIQUE AQUI para baixar o Ebook Gratuito “Como evitar os 7 Pecados dos Investidores”!

Equipe Eduardo Moreira.

Você também pode gostar

Deixe um comentário