5 princípios da educação financeira para adotar como hábito

5 princípios da educação financeira para adotar como hábito

A educação financeira é importante e está em constante evolução. Junto da educação empresarial, ambas devem ser a base do aprendizado de como o dinheiro e os negócios funcionam.

Importância da educação financeira para a vida

A educação financeira deve ser entendida como um conjunto amplo de orientações e esclarecimentos sobre posturas e atitudes adequadas no uso e planejamento dos recursos financeiros pessoais e familiares.

É a aptidão, preparo para lidar com conceitos e questões financeiras (receitas, despesas, juros, negócios, investimentos etc.). É a capacidade de saber utilizar o dinheiro como ferramenta para tornar a vida melhor, mais criativa, mais produtiva e mais equilibrada.

Qual é o objetivo da educação financeira?

O objetivo é mudar o pensamento de acumular cada vez mais dinheiro para a ideia de viver cada vez melhor. O importante é que a pessoa priorize a satisfação ao consumo. Viver bem não significa comprar mais um celular ou outro carro, e sim aproveitar a vida.

Princípios da educação financeira

O planejamento financeiro é essencial para garantir um futuro, ser previdente e evitar situações de riscos e carência. No entanto, ter mais dinheiro não significa ser mais feliz ou ter mais qualidade de vida. O importante é planejar-se para ter o suficiente, sem consumir com exagero e desperdício.

A educação financeira deveria fazer parte da formação básica de todo cidadão e seus princípios deveriam ser transmitidos de pais para filhos, como ocorre com os princípios de ética e valores, e à escola deveria caber o papel de aprofundar seus conceitos.

Infelizmente, o oposto está ocorrendo. Os filhos estão aprendendo em casa da forma errada: pais que não realizam qualquer planejamento financeiro, que vivem endividados, que fazem maus negócios, por não terem noções básicas de finanças.

E dessa forma passam o mau exemplo para seus filhos, em um círculo vicioso, que precisa ser interrompido pela educação financeira, que precisa ser adquirida já, por meio do sistema educacional ou pelo esforço individual, por intermédio de cursos, palestras e/ou leitura de literatura especializada.

A falta de educação financeira gera estresse, noites mal dormidas, preocupações triplicadas, entre outros problemas.

Portanto, precisamos ser instruídos financeiramente para administrar bem nossas finanças pessoais e familiares, fazermos bons negócios, valorizar o dinheiro, investir com inteligência, para que dessa forma possamos construir um futuro digno para nós e para aqueles por quem somos responsáveis.

Os cinco princípios da educação financeira eficaz são:

  • Conheça os indivíduos e famílias que recebem serviços
  • Fornecer informações acionáveis, relevantes e oportunas
  • Melhorar as principais habilidades financeiras
  • Construa a motivação
  • Facilite a tomada de boas decisões e acompanhamento5 princípios da Educação Financeira para adotar como hábito

Aplicando os princípios básicos

Naturalmente, não existe um caminho certo para fornecer educação financeira, assim como não há um caminho certo para todos que devem conduzir suas vidas financeiras.

Muitas abordagens podem funcionar, refletindo a diversidade das circunstâncias, oportunidades, aspirações e engenhosidade das pessoas que ajudam as pessoas a tomar medidas para melhorar seu bem-estar financeiro.

Conheça o seu público

Diferentes tipos de programas que visam aumentar o bem-estar financeiro são necessários para os consumidores em diferentes situações. Em vez de adotar uma abordagem única, os programas de educação financeira devem corresponder a circunstâncias específicas, desafios e metas das pessoas a serem abordadas.

Forneça conselhos acionáveis

Sempre conecte os consumidores ao conhecimento de maneiras que persistem. As pessoas são mais propensas a absorver informações se estiverem preocupadas com uma decisão importante que devem tomar em breve e incluem medidas concretas a serem seguidas.

Concentre-se nas principais habilidades

Estas incluem saber quando e como encontrar informações confiáveis ​​para tomar decisões financeiras; saber processar informações para tomar decisões financeiras; e saber como executar decisões financeiras.

Encontrar uma maneira de motivar

Conhecimento, habilidades e oportunidades só levam à ação quando uma pessoa sente que é importante. A educação financeira pode reforçar atitudes que ajudam as pessoas a permanecerem motivadas para perseguir seus objetivos.

Ajude as pessoas a se concentrarem em seus próprios padrões e valores, e não em influências externas. Isso os ajudará a perseverar e a ter certeza de que eles podem alcançar suas metas financeiras.

Tome decisões fáceis

Situações que as pessoas enfrentam influenciam suas ações financeiras. A educação financeira pode ajudar a contextualizar as situações individuais e facilitar a navegação e a alavancagem das influências em seus arredores.

Ciclo financeiro da vida: poupar e acumular um patrimônio

Se as pessoas mudam com a idade, também mudam suas necessidades financeiras. Quando analisada do ponto de vista financeiro, a vida de cada indivíduo pode ser dividida em fases, onde as necessidades e os objetivos são diferentes, mudando gradualmente ao longo do tempo.

Um exemplo é o padrão de receitas e despesas. Existem fases em nossa vida, por exemplo, quando as despesas aumentam bastante.

Também as receitas variam, pois saímos de uma situação de salários mais baixos no início da carreira para uma situação muito melhor na meia idade, quando a maioria atinge seu apogeu profissional.

No entanto, não somente as receitas e as despesas mudam ao longo do tempo. Também a necessidade de poupança vai se alterando, permitindo que alguns períodos de nossa vida possam ser ideais para acumulação de uma reserva financeira.

Já tentou aplicar os conceitos da educação financeira? Conte para nós!

CLIQUE AQUI para baixar o Ebook Gratuito “Como evitar os 7 Pecados dos Investidores”!

Você também pode gostar

Deixe um comentário